Apontamentos para roteiro

AUDÁCIA mexe com tabus. Há incômodos de todas as partes, talvez porque a procura de coisas não ditas no seu tempo percam o sentido através de uma idéia do que foi o nosso passado: uma negação. O sentimento de rejeição em tratar de atos praticados por si próprio não é a couraça dos covardes. Eles não precisam de nada ao viver suas vidas sem nenhum pudor.

Os homens comuns são, inevitavelmente, regidos por suas consciências. Tanto o herói como o algoz tem a necessidade de se justificar. E isso é inerente a experiência da vida. Ao ficarmos velhos, ou nos reconciliamos ou sofremos. Nos últimos anos de nossas vidas tudo que queremos é ser inteiros.

A pesquisa do filme me revela essa verdade: os grandes se escusam em julgar a si e aos outros. A procura da justiça e seu encontro passam pela prática de cotidianos não premeditados. A vida vivida sem medir-se é uma entrega voluntária e espontânea.    

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: