13 de dezembro de 2008
REUTERS/Vincent Kessler

(Foto:Vincent Kessler/REUTERS)

Considero-me um ensaísta. E faço ensaios em forma de romances, ou romances em forma de ensaios: simplesmente,em vez de escrevê-los, eu os filmo.

Se  o cinema desaparecesse, eu me resignaria e passaria à televisão.

E se a televisão desaparecesse, eu voltaria ao papel e ao lápis.

Para mim, a continuidade é muito ampla entre todas as maneiras de se exprimir. Tudo forma um bloco.”

                                                       Jean-Luc Godard 


9 de dezembro de 2008

Dziga Vertov

kaufman_brothers_mikhail_and_davertov_kino_eye1dziga-vertovdziga_vertov_3

Necessidade, precisão e velocidade: três imperativos que nós exigimos do movimento digno de ser filmado e projetado.


Realizadores

29 de novembro de 2008

Jean-Luc Godard

godard1966godardtestforwebsitegodardscarfgodard1“Sempre pensei que o cinema era interessante porque permitia ver sem ler…Ele deve ter alguma coisa diferente…é o único a poder contar histórias. É por isso que agrada muito, histórias e a História…”.


Realizadores

26 de novembro de 2008
Glauber Rocha

Glauber Rocha

           “Resolvi transformar minha própria expressão de cinema político, correndo mesmo o risco de decepcionar os que esperavam meus filmes com honestidade crítica e sentimentos favoráveis.”  

(Entrevista a Novais Teixeira, em O ESTADO DE SÃO PAULO, 1971)

 

Deus e o diabo na terra do sol 
 Deus e o diabo na terra do sol

Realizadores

19 de novembro de 2008

frederec-rossif

Frédéric Rossif (1962), nascido na Iugoslavia tornou-se francês. Serve na Legião Estrangeira e trabalha na Cinemateca Francesa. Começou a carreira na TV, especializando-se em documentários profundamente engajados. Seu filme mais conhecido é “Mourir à Madrid”, produção francesa de 1963.

Trata-se de um Documentário sobre a Guerra Civil Espanhola, censurado na Espanha durante anos e só liberado após a queda do general Franco.

 

 

 

 

 

frederec-rossif1


Realizadores

12 de novembro de 2008

johnnyvaiaguerra11Primeiro e único filme dirigido pelo escritor e roteirista Dalton Trumbo, uma das grandes vítimas do Macarthismo, ”Johnny Vai à Guerra” (Johnny Got His Gun, EUA, 1971) criou a figura do soldado sem nome como uma metáfora de todos os homens que perderam a vida na guerra. A história é narrada em dois níveis, com o preto-e-branco e o colorido, separando a vida e a agonia de um soldado reduzido a um torso em combate, durante a Primeira Guerra Mundial. Por meio de um monólogo interior, conhecemos o que foi a vida do jovem soldado e acompanhamos o que restou de seu corpo, numa sala escura de hospital.  


Realizadores

9 de novembro de 2008

O Blog está publicando a filmografia de diretores que tenham realizado filmes de caráter político. 

sylvio-back1Sylvio Back nasceu em Blumenau em 1937. Filho de imigrantes que vieram para o Brasil em 1935: o pai era judeu húngaro e a mãe alemã.

Além de filmes, tem  vinte livros editados – entre poesias, ensaios e os argumentos/roteiros de vários de seus filmes. Com 71 prêmios nacionais e internacionais, Sylvio Back é um dos cineastas brasileiros mais conceituados. Seu último filme, Lost Zweig, foi lançado timidamente nos cinemas do país, mas teve ampla participação em festivais, conquistando várias premiações. O seu filme mais conhecido é Aleluia Gretchen, de 1976. 

Filmografia

 

2002 – Lost Zweig

1998 – Cruz e Sousa – o poeta do desterro

1995 – Zweig: A morte em cena(média-metragem)

1995 – Yndio do Brasil

1992 – A babel da luz (curta-metragem)

1990 – Rádio Auriverde

1987 – Guerra do Brasil

1984 – O auto-retrato de Bakun (média-metragem)

1983 – Vida e sangue de polaco (média-metragem)

1982 – A escala do homem (curta-metragem)

1981 – A araucária: memória da extinção (curta-metragem)

1981 – República Guarani

1981 – Jânio 20 anos depois

1980 – Revolução de 30

1980 – Sete quedas (curta-metragem)

1979 – República Guarani (média-metragem)

1978 – Crônica Sulina (média-metragem)

1978 – Um Brasil diferente? (curta-metragem)

1977 – Mulheres guerreiras (média-metragem)

1976 – Teatro Guaíra (curta-metragem)

1976 – Aleluia Gretchen

images1

 

1974 – O semeador (curta-metragem)

1974 – Curitiba: uma experiência em planejamento urbano (documentário)

1973 – A gaiola de ouro (média-metragem)

1970 – A guerra dos pelados

1968 – Lance maior

1966 – Vamos nos vacinar (curta-metragem)

1966 – Festival (curta-metragem)

1966 – A grande feira (curta-metragem)

1965 – Curitiba, amanhã (curta-metragem)

1965 – Os imigrantes (curta-metragem)

1964 – As moradas (média-metragem)